Crítica | Terror na Antártida

terror

Whiteout
é o fenômeno onde inúmeras condições ambientais se unem para criar uma nevasca acompanhada com ventos de até 150 km/h e que impedem de enxergar um palmo à sua frente. Ou ao menos é isto que um personagem, no início de Terror na Antártida, explica. Mas a se tratar da (falta de) inteligência deste thriller na neve, desconfio bastante da veracidade da descrição. Escrito a oito mãos a partir de uma graphic novel que desconheço e dirigido por Dominic Sena cujo maior “feito” foi dirigir 60 Segundos e Swordfish, Terror na Antártida é um espetáculo em matéria de estupidez. A começar pela cena inicial, a bordo de um avião russo, em que os tripulantes trocam tiros em pleno ar (e não é difícil imaginar o destino do pobre avião). Aliás, para um filme que se passa na Antártida e chama o fenômeno de Aurora Boreal – que só existe no Ártico -, não dá pra esperar muita inteligência dos roteiristas.Carrie Stetko (Kate Beckinsale) é uma agente do FBI removida para a Antártida após um incidente ocorrido nos Estados Unidos – conforme a cartilha do gênero, em determinado momento da projeção ela irá confidenciar este fato à pessoa menos provável. Logo na sua primeira cena, vemos a debilidade do roteiro ao apresentá-la removendo toneladas de roupas apenas para entrar no chuveiro (como se não soubéssemos que faz frio naquela região). Mas, duvidar da inteligência do espectador é o menor dos problemas, e ao descobrir um cadáver no gelo, Stetko desconfio da possibilidade de um assassinato e confidencia ao médico e amigo Dr. John Fury (Tom Skerritt) a necessidade de um caso para solucionar diante da inexistência de nada mais grave do que meras contravenções. Associada ao misterioso Robert Pryce (Gabriel Macht) e ao piloto Delfy (Columbus Short), Stetko tem que correr contra o tempo para solucionar o caso antes do rigoroso inverno polar.Dirigido próximo ao enlatado, a narrativa tem poucas boas cenas, mas o mérito destas vem da paisagem desolada do pólo que naturalmente cria um sentimento de claustrofobia e tensão, e não de esforços do cineasta Dominic Sena. Recorrendo a deselegantes flashbacks para apresentar o “traumático” passado de Stetko, perguntei-me se aquele seria um motivo forte o bastante para torná-la reclusa no pólo sul? Suponho que a resposta seja um grande Não.Ademais, é muito difícil levar a sério os dotes investigativos de Stetko quando depois de prender um importante criminoso, ela se dá ao luxo de dormir antes de encaminhá-lo preso. Porém, nada explica cometer um “erro” de julgamento duas vezes. Finalmente, a identidade do assassino – mesmo não estando estampado na cara – pode ser deduzida com antecipação usando um pouco da lógica do gênero. “Revelação” que representa um desfavor ao filme, pois vem carregada de uma enorme incoerência e não se sustenta após uma re-análise.

Mais longo do que o desejado, Terror na Antártida encontra-se no único lugar que deveria estar, isolada no local mais inóspito da Terra.

[star]

Próximo
ladrao

Crítica | Percy Jackson - O Ladrão de Raios

Primeiro exemplar da série de livros de Rick Riordan, Ladrão de Raios chega aos cinemas na expectativa de se tornar uma franquia de sucesso. Subproduto de Harry Potter, substituindo a ... Read more

Anterior
che

Crítica | Che - O Argentino

Che - O Argentino é a primeira parte do épico dirigido por Steven Soderbergh sobre o médico e guerrilheiro Ernesto "Che" Guevara (Benicio Del Toro). Nesta primeira metade, acompanhamos a ... Read more

Posts Relacionados

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *