Crítica | As Melhores Coisas do Mundo

Abusaria do trocadilho se eu disser que As Melhores Coisas do Mundo é uma das melhores coisas que o cinema Brasileiro produziu este ano, mas não deixaria de ser verdade. Evitando a elaboração (de fato) de diálogos e a composição meticulosa de sua narrativa, o novo trabalho de Laís Bodanzky surge como grata surpresa e visão da transição e amadurecimento de um jovem adolescente. Indo um pouco mais além, ele foge do universo desprezível de Malhação e cria uma abordagem realista do ensino médio brasileiro.

Mano (o estreante Francisco Miguez) é um jovem vivendo os dilemas da adolescência. Apaixonado por uma colega de classe que não nota a sua existência, flertando com a experimentação de drogas e encarando o mundo com olhos de angústia e indignação ao mesmo tempo em que elabora as suas próprias regras, ele é um retrato bastante complexo do jovem de classe média brasileira.

Assumindo a notícia do divórcio de seus pais – em uma interessante cena que ao invés de investir em diálogos, utiliza a economia visual no olhar cabisbaixo do irmão Pedro (Fiuk), às bagagens arrumadas até a cara de vergonha e humilhação da mãe – e o homossexualismo do pai como pontos de partido da narrativa, Bodanzky não se prende a convenções e adota uma abordagem com múltiplas histórias sem jamais perder o foco e a coesão. Não apenas acompanhamos Mano, como o auto-destrutivo Pedro que ao terminar seu namoro imerge em uma depressão niilista ou Carol (Gabriela Rocha), apaixonada por seu professor (Caio Blat).

As figuras paternas da narrativa também assumem papel de destaque: Denise Fraga, mãe de Mano, e as fundas olheiras; José Carlos Machado, o pai, que não esconde a própria adolescência ao honestamente assumir para seus filhos sua homossexualidade; o músico vivido por Paulo Vilhena que eventualmente surge como conselheiro de Mano.

Mas é o estreante Miguez quem consegue transmitir com segurança o turbilhão de emoções que ele atravessa. Vivendo todos os momentos com genuíno sentimento de novidade, é divertido observar sua reação após a primeira transa, mesmo que instantes depois ele demonstre certo cinismo e maldade ao acusar injustamente um professor ou difamar uma colega de turma, fundamentais para que o enxerguemos como um ser humano complexo e não um protagonista unidimensional.

Mas, o mais gratificante é a rima narrativa que Bodanzky usa ao ilustrar, em dois momentos, Mano tocando Something dos Beatles, em uma vez desajeitado e na outra perfeitamente seguro de si – o que não apenas ilustra um aspecto romântico do coração de Mano como o amadurecimento que se adquire com a prática, e a vida nada mais é do que a prática diária de uma rotina.

Desconstruindo a vida daquele universo de jovens que virá a ser a geração do futuro, As Melhores Coisas do Mundo é bom o suficiente para, com gosto agridoce, nos ajudar a reviver aqueles bons momentos que não voltam mais.

Avaliação: 4 estrelas em 5.

Próximo

Crítica | A Estrada

Devastador. Basta este adjetivo para resumir a alegoria pós-apocalíptica A Estrada. Iniciando com imagens de um passado feliz recém abalado por alguma tragédia não-anunciada - o aquecimento global, uma catástrofe ... Read more

Anterior

Crítica | Um Sonho Possível

Anualmente Hollywood produz pelo menos meia dúzia de dramas esportivos: do basquete ao futebol americano, esse filme buscam conquistar o espectador através de inúmeros obstáculos que seu herói deverá superar ... Read more

One Comment on “Crítica | As Melhores Coisas do Mundo”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *