Crítica | Amor & Outras Drogas

A indústria farmacêutica tem vivido uma série de críticas e ataques na forma com que relaciona saúde e lucros. Não é estranho que gigantes do setor tenham seus nomes associados a escândalos éticos por patrocinarem eventos médicos em que além de venderem suas pesquisas, buscam multiplicar suas vendas, atropelando qualquer princípio moral. A doença de Parkinson é um mal degenerativo que assola as funções motores das pessoas, provocando distúrbios como tremores e rigidez nos movimentos. Uma doença pouco explorada em Hollywood – recordo-me de Ali -, que parece servir de escada para que Anne Hathaway comprove seu talento como intérprete. Dois adultos desenvolvem um relacionamento maduro, baseado em sexo e casualidade, até que descobrem que estão apaixonados um pelo outro.

Se este parágrafo expôs boas idéias e conceitos, mas não demonstrou coerência, é apenas reflexo do trabalho do diretor e roteirista Edward Zwick em Amor & Outras Drogas. Diretor experiente e “quadradão” (bons filmes carregam sua assinatura, como Tempos de Glória, O Último Samurai e Diamante de Sangue), ele não consegue desenvolver satisfatoriamente nenhum dos arcos narrativos propostos e nem os amarra de maneira convincente, apesar de que vista de fora, a embalagem apareça sedutora. Cometendo o erro de nunca saber que gênero está trabalhando, Zwick introduz um personagem engraçadinho com graves problemas de sexualidade, desenvolve o relacionamento do casal a partir da premissa de “eles se odeiam, mas se amam” ou “eles só querem sexo, mas não conseguem viver longe um do outro” e usa o mal de Parkinson como forma de extrair lágrimas, confundindo todos os gêneros românticos do cinema.

A história apresenta Jamie (Jake Gyllenhaal), um rapaz extrovertido, charmoso e boa-pinta e que consegue tudo o que deseja seduzindo as pessoas ao seu redor. Depois de ser demitido da empresa em que trabalhava, ele se torna vendedor de medicamentos e aprendiz de Bruce (Oliver Platt). Ao assediar o Doutor Stan (Hank Azaria), ele acaba conhecendo Maggie (Anne Hathaway), uma paciente de Parkinson, que desperta uma atração sexual e o “lado humano” do rapaz. A partir daí, o roteiro revela-se esquemático e segue as convenções dos romances, e eu confio no espectador em os enumerar sob risco da crítica se tornar clichê.

Aí é que entram os ótimos protagonistas e a decisão do diretor em desenvolver cenas de sexo intensas e explícitas, que revelam a intensidade carnal do relacionamento. Mas Gyllenhaal é muito prejudicado porque seu personagem não tem uma moral bastante definida: em um momento ele é o cafajeste divertido, noutro um baita mau caráter capaz de subornar um médico e comercializar receitas médicas, e finalmente se torna um sujeito compreensivo e caridoso ao lidar com a doença de Maggie (embora sua simulação de infarto seja um momento vergonhoso na carreira do ator). Já Maggie é mais tridimensional, demostrando uma bipolaridade oriunda das características de sua doença, apesar da atriz evitar usar a doença como muleta de interpretação. Pelo contrário, ela se dedica a detalhes sutis, como o olhar impotente e frustrado diante da incapacidade de cortar uma foto e a felicidade ao descobrir não estar sozinha em uma terapia de grupo. Abraçando todas as nuances de Maggie, Anne Hathaway é ousada ao participar de cenas de nudez e sexo, tornando crível a química entre os personagens.

Considerando-se bem mais divertido do que realmente é, Amor & Outras Drogas chega a ultrapassar os limites do aceitável ao mostrar o irmão do protagonista “assistindo” a um vídeo de sexo gravado por este e Maggie e a infame cena dos efeitos colaterais do Viagra. Utilizando montagens musicais para avançar a história e vender CDs, e apostando no vilão antiquado do tipo valentão do colegial trajando terno Armani e dirigindo um Porsche, o filme ao menos pode se beneficiar da leve fotografia de Steven Fierberg que aproveita o charme da década de 90.

Apostando em um desfecho “bonitinho” pra mandar o espectador para casa com um sorriso no rosto, mesmo que não exista o chamado final feliz para Maggie e Jaime como estamos acostumados, Amor & Outras Drogas corresponde de uma maneira falha à personalidade dos dois protagonistas: ambicioso como Jaime e confuso e bagunçado como Maggie.

Avaliação: 3 estrelas em 5.

Próximo

Crítica | Deixe-me Entrar

O título Deixe-me Entrar apresenta um elemento da mitologia dos vampiros que afirma que as criaturas só podem entrar na residência (ou na vida) de alguém se forem convidadas. Pouco ... Read more

Anterior

Crítica | Biutiful

Retrato denso, sufocante e visceral, Biutiful é o novo trabalho de Alejandro González Iñarritu em que o cineasta abandona a estrutura de múltiplas narrativas (Amores Brutos, 21 Gramas e Babel) ... Read more

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *