Festivais | Varilux de Cinema Francês (Dia 5)

08) Simon Werner Desapareceu (Simon Werner a Disparu…, França, 2010). Direção: Fabrice Gobert. Roteiro: Fabrice Gobert. Elenco: Jules Pélissier, Ana Girardot, Audrey Bastien, Arthur Mazet. Duração: 87 minutos. Cotação: 4 estrelas em 5.

O desaparecimento do estudante de ensino médio Simon Werner tem uma sensível influência no microuniverso de um colégio francês. Para os professores, ele é mais um nome na chamada; para os colegas de turma, um sujeito estranho que resolveu assumir a sua homossexualidade ou fugiu para traficar drogas em Marrocos; nem mesmo a sua namorada, Alice, ou a sua amante, Clara, depreendem muitos esforços em sua procura. Seu sumiço é só mais um acontecimento na vida daqueles garotos, uma desculpa para elaborarem teorias, eventualmente envolvendo alguma espécie de serial killer, e se distraírem do dia-a-dia escolar.

Nesse sentido, o grande mérito de Fabrice Gobert não é o mistério em si, mas a dinâmica entre aqueles jovens. Estruturada a partir dos pontos de vista de cada um dos alunos, a narrativa amarra as pontas dos acontecimentos à medida em que conhecemos um novo lado da história. Porém, nenhuma visão é realmente relevante para a solução do mistério, auxiliando apenas a pôr os pontos nos “is” no final, pois Gobert decide incluir o ponto de vista do próprio Simon que, apesar de construir alguns paralelos interessantes com os outros alunos, extraí todo o suspense do mistério, cuja solução advém naturalmente.

Uma ótima brincadeira narrativa que joga uma luz na adolescência francesa, mas que perde a preciosa chance de ser mais do que a soma das suas partes.

09) Uma Doce Mentira (De Vrais Mensonges, França, 2010). Direção: Pierre Salvadori. Roteiro: Benoît Graffin, Pierre Salvadori. Elenco: Audrey Tautou, Nathalie Baye, Sami Bouajila. Duração: 105 minutos. Cotação 3 estrelas em 5.

Émilie (Audrey Tautou) é uma das sócias de um salão de beleza que se vê às voltas com um admirador secreto na figura do ajudante de serviços gerais Jean (Sami Bouajila). Intimidada intelectualmente pelo sujeito que, fala diversas línguas e tem formação superior, a narrativa é desenvolvida com delicadeza e bom humor sem nunca se levar a sério ou buscar afastar o “sentir-se bem” das comédias românticas. Nem mesmo quando a amargurada mãe de Émilie, Maddy (Nathalie Baye), divorciada há quatro anos surge em cena, a narrativa abandona a suavidade.

Engrenando depois que Émilie toma a carta de Jean e modifica o seu destinatário, buscando aumentar a auto-estima da mãe a partir do flerte de um terceiro, surge um jogo de encontros e desencontros e pequenas mentiras com consequências desastrosas. Neste incomum triângulo amoroso, a narrativa supera a incredulidade de determinadas situações com bom humor, seja o caminhão de lixo que em segundo plano recolhe todos os pertences de Jean ou na sequência de demissões e re-admissões.

Independentemente da profundidade da narrativa, Uma Doce Mentira tem faíscas o para sustentar a frivolidade de seu roteiro, nem que para isto ele precise encontrar a sua “próxima vítima”.

Próximo

Crítica | Cilada.com

Cilada.com (Brasil, 2011). Diretor: José Alvarenga Jr. Roteiro: Bruno Mazzeo, Rosana Ferrão. Elenco: Bruno Mazzeo, Fernanda Paes Leme, Carol Castro, Fúlvio Stefanini, Serjão Loroza. Duração: 99 minutos. Cotação: 2 estrelas ... Read more

Anterior

Crítica | Qualquer Gato Vira-Lata

Qualquer Gato Vira-Lata (Brasil, 2011). Direção: Tomas Portella, Daniela de Carlo. Roteiro: Cláudia Levay, Júlia Spadaccine. Elenco: Cléo Pires, Malvino Salvador, Dudu Azevedo. Duração: 100 minutos. Cotação: 2 estrelas em ... Read more

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *