Sugestões: Incêndios

Incêndios (Incendies), Canadá/França, 2009. Direção: Denis Villeneuve. Roteiro: Denis Villeneuve, baseado na peça de Wadji Mouawad. Elenco: Lubna Azabal, Mélissa Désormeaux-Poulin, Maxim Gaudette, Rémy Girard. Duração: 130 minutos.

Cumprir os últimos desejos de sua mãe, Nawal, não se resume somente a uma viagem de descoberta da história de uma mulher que sofreu o pior lado de um regime preconceituoso patriarcalista e os conflitos religiosos de cristãos e muçulmanos no Oriente Médio, é também uma jornada de auto-conhecimento dos gêmeos Jeanne e Simon que, não obstante as cinzas que envolvem tragédias e as camadas de véu que escondem segredos, batalham obstinadamente na entrega de duas cartas: uma ao pai que não conheceram, a outra ao irmão cuja existência desconheciam. Não parece uma missão fácil, porém, àqueles jovens consumidos pelo luto e pelo despertar de uma nova vida. Auxiliados pelo bondoso tabelião, Jean Lebel, os  gêmeos vivenciarão na investigação do passado de Nawal e busca do pai e irmão perdidos, experiências díspares e determinantes na construção dos seus caráteres, sinônimos de uma promessa a ser cumprida.

A narrativa de Incêndios indicada ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2011 é uma aventura cruel, impiedosa, dura e implacável cujas consequências, nenhuma delas violentas na acepção primária da palavra, provocam cicatrizes profundas, mas feridas de alma que apenas a maturidade e amor dos gêmeos protagonistas conseguirá superar. O título faz referência ao, ironicamente, momento mais belo da narrativa: fundamentalistas cristãos incendeiam um ônibus de muçulmanos, onde a cristã Nawal disfarçara-se de lenço na cabeça e cruz no bolso; atordoada, quase sem reação, Nawal joga-se no canto mais inferior da tela enquanto as chamas consomem as paisagens desérticas do Oriente Médio, transformando definitivamente a sua vida, sob o olhar do diretor de fotografia André Turpin.

Afora as interpretações que, merecem um parágrafo a parte, a fotografia de Incêndios é impressionante. Construindo elegantes contrastes da pobreza e destruição provocadas pelas inúmeras guerras internas, o trabalho de Turpin é evocativo ora em ilustrar a beleza e tranquilidade de grandes paisagens ora nas pobres habitações que, similares as nossas favelas, aparecem manchadas do negrume característico de um incêndio. O desconforto é maior se imaginarmos o aspecto pacato na região onde Nawal testemunhou a morte de seu amante e deixou o seu filho recém-nascido à adoção debaixo de uma promessa que jamais cumpriria, as primeiras agressões à vida daquela mulher que a acompanhariam para sempre.

Outro aspecto da narrativa dirigida e adaptada por Denis Villeneuve é a fragmentariedade, exigindo enorme comprometimento do público, apesar do necessário didatismo dos letreiros em vermelho sangue antes de um novo capítulo da jornada. Assim, alternando entre flashbacks e o tempo atual, o filme talvez pareça absurdo e improvável em sua revelação final, mas a sensibilidade de Denis e a maneira com que engana os seus protagonistas é de grande genialidade. Vez que, desde o princípio, sabemos que não são eles os filhos frutos do amor, e apenas é uma questão de tempo até que eles descubram a verdade. Logo, quando uma enfermeira revela acerca de não um, mas dois filhos, o sentimento do espectador é da frustração por saber a verdade e não ter os meios de contar a Jeanne e Simon da pancada que o destino preparou.

Mas, é a atuação da família Marwan que impressiona. Os gêmeos, Jeanne, uma matemática que compara a busca dos entes perdidos quase como um problema sem solução, e Simon, carregando uma amargura do provável descaso na sua infância que culmina na contrariedade à demanda da mãe, ganham vida respectivamente pelos ótimos Mélissa Désormeaux-Poulin e Maxim Gaudette. E quão o desespero contido na voz de Simon ao questionar a irmã se 1 mais 1 pode ser 1?. Por sua vez, Lubna Azabal transforma Nawal em um produto do meio: desterrada da sua família por tê-la injuriado, incapaz de encontrar seu filho, envolvida em crimes políticos e, eventualmente, presa e torturada, as expressivas marcas nos seus olhos expõem de forma minimalista quem aquela mulher é. Além disso, descobrir a verdade surge como uma experiência catatônica de vida e morte, natural diante do volume de informações absorvidas.

Não se enganem, Incêndios esconde na triste realidade do mundo, a poesia da paz adquirida unicamente em consequência da verdade. Depois do que os Marwan sofreram por amor e em nome de uma promessa, parece ser uma epifania digna e honrosa àquelas pessoas.

Trailer:

Próximo

35ª Mostra de Cinema em São Paulo - Meus Filmes

De 21 de outubro a 3 de novembro, acontece em São Paulo a tradicional Mostra Internacional de Cinema. Durante duas semanas, a 35ª Mostra Internacional de Cinema propicia que cinéfilos ... Read more

Anterior

Grandes Diretores: Darren Aronofsky

O que um matemático obcecado com os padrões do número π, quatro pessoas afundando no poço sem fim do mundo das drogas, um cientista em busca da imortalidade, um lutador ... Read more

5 Comments on “Sugestões: Incêndios”

  1. Sério que você gosta tanto do filme assim?

    Incêndios tem sérios problemas narrativos, como narrar um evento apenas para mostrá-lo na íntegra em seguida (erro de montagem) ou investir em coincidências absurdas para que sua trama funcione (falha de roteiro). Isso, é claro, além, de apelar sem dó pro dramalhão. 3/5

  2. João,

    Eu concordo no aspecto montagem, especialmente nos 10 minutos finais que o voice over parece querer narrar aquilo que nós vemos. É um defeito, porém entendi o objetivo de Denis Villeneuve – ele queria que fosse Nawal quem revelasse a verdade, e sua voz, ao invés de apenas a escrita foi a forma que ele achou para isso. Falha? Sim! Mas eu perdoo.

    Quanto ao outro aspecto, eu discordo: coincidências absurdas devem ser analisados sob um prisma as vezes subjetivo, e Oldboy sustenta-se diante de todos esses aspectos. Claro que como eu frisei, o filme tem sua parcela de absurdo e improvável, mas assim como naquele exemplar coreano eu aceitei pessoalmente as revelações, pois me aproximei demais dos personagens.

    Enfim, adoro conversar de cinema por isso, e fiquei interessado em ler uma crítica sua deste filme.

    Antônio,

    Provavelmente não uma obra prima, porém um destaque enorme dos lançamentos de 2011.

  3. Então, Márcio, a questão não é só a narração em off. Tem um momento em que a protagonista narra uma longa história apenas para acompanharmos o mesmo acontecimento na íntegra logo em seguida.

    E quanto às coincidências, o universo diegético de Oldboy é completamente diferente, reside mais no psicológico, o filme busca o tempo todo estabelecer-se em um mundo onírico, de fantasia, auto-referencial muitas vezes. Já Incêndios se propõe a ser um drama calcado na realidade, e claramente usa suas "revelações" finais como um artifício barato para nos surpreender e arrancar nossas lágrimas.

    Mas não desgosto do filme. Como disse, daria 3 estrelas. Mas provavelmente não escreverei sobre ele.

    Um abraço!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *