Happy Feet 2: O Pinguim

Happy Feet 2: O Pinguim (Happy Feet Two, Austrália, 2011). Direção: George Miller. Roteiro: George Miller, Gary Eck, Warren Coleman, Paul Livingston. Elenco: Elijah Wood, Pink, Matt Damon, Brad Pitt, Robin Williams, Hank Azaria. Duração: 100 minutos.
Em 2006, George Miller sagrou-se vencedor do Oscar de Melhor Animação com um Happy Feet, que apesar de narrar a história clichê de um personagem desajustado e avesso aos costumes do bando, conquistava justamente pela sua individualidade, vigor e alegria contagiante. Era a invejável animação que pais e filhos abraçaram sem restrições, apresentando vários números musicais envolventes, e a inteligente mescla com atores de carne e osso que inegavelmente contribuíu para seu sucesso esmagador de crítica e público. 5 anos depois, George Miller produziu Happy Feet 2: O Pinguim, a história da geração seguintes dos pinguins-imperadores que é praticamente uma cópia-carbono do antecessor, perdendo o charme e a energia em uma obra esteticamente irrepreensível, porém literalmente oca.

Descaradamente retomando a linha geral narrativa do antecessor, conhecemos Eric, filhote de Gloria e Mano, o pinguim sapateador do episódio anterior. Reflexo do pai na infância, Eric não se encaixa no bando de pinguins, falhando em compreender o porquê da comunicação fundamentalmente musical da espécie e o entusiasmo e furor provocados pela dança. Humilhado depois de uma dança desengonçada, ele foge com seus amigos Atticus e Bo no encalço de Ramón e conhece Sven, um suposto pinguim voador idolatrado pelos seus pares. Ao mesmo tempo, acompanhamos Bill e Will, dois krills que buscam conhecer o mundo além do cardume e questionam a importância da amizade no decorrer de sua aventura.

Limitando-se a reproduzir as alegorias introduzidas no seu predecessor, acompanhamos os discursos fervorosos e proféticos do fundamentalismo religioso, escancarado na idolatria a Sven, ou a maneira com que os pinguins enxergam os humanos “alienígenas”. Além disso, o filme bate novamente na tecla do discurso ambientalista, enfatizando no degelo das calotas polares a ameaça ao habitat natural dos pinguins-imperadores, presos em um vale sem saída após uma catástrofe. Para salvá-los, é fundamental a cooperação de diversas espécies distintas, inclusive elefantes-marinhos, reflexo da incapacidade humana de sanar os males provocados na natureza e a capacidade desta de se curar.

Contudo, os subtítulos de Happy Feet 2: O Pinguim estão a serviço de uma narrativa oca, sem um fio condutor concreto, pois o drama de se sentir diferente diante de seus pares foi tratado à exaustão no episódio anterior e é natural que os traumas de Erik sejam tratados com maior sensibilidade por seus pais e o bando (diferentemente de Mano que na infância era enxergado com desconfiança por seu pai). Da mesma maneira, a catástrofe não consegue esconder que simplesmente o filme não tem história alguma, afora um conjunto de situações unidas por elos bastante ínfimos e óbvios. Logo, quando Mano salva um elefante-marinho da morte certa, sabemos exatamente o momento narrativo em que o bichão irá retribuir o favor. Igualmente, o ataque de gaivotas ou a ameaça de focas-leopardo são meram distrações usadas unicamente para movimentar o roteiro.

Mas, o melhor exemplo do desleixo dos quatro roteiristas é a apresentação de Bill e Will, dublados na versão original por Brad Pitt e Matt Damon. Protagonizando uma narrativa díspare e independente da central, a dupla é praticamente a resposta da Warner ao esquilo Scratch de A Era do Gelo, contribuindo unicamente em um pequeno detalhe no clímax (inegavelmente desnecessário). Assim, apesar de divertidos, a fuga de um cardume e do apetite voraz de uma baleia, o desejo em subir na cadeia alimentar ou o envolvimento no já mencionado ataque de gaivotas são momentos visualmente inspirados, porém descartáveis no transcorrer da narrativa.

Por outro lado, o perfeccionismo de George Miller atinge patamares elevadissímos e é impossível desprezar os aspectos técnicos, que somados à liberdade de movimentos da câmera, permitem quase esquecer os defeitos narrativos. Os minúsculos cristais de neve, a plumagem característica de cada espécie de pinguim – observe como a pintinha similar a uma gravata borboleta de Mano é herdada por seu filho -, uma violenta tempestada de neve ou a animação de fluidos derrubam o queixo do mais cético espectador. Porém, genial é o exoesqueleto dos krills, translúcido e revestido de pequenas manchas vermelhas, iluminando-se ou se camuflando de acordo com o ambiente.

Aliás, a fotografia digital de David Dulac e David Peers também é extraordinária, e os efeitos de iluminação provocados por caravelas douradas ou as sombras aquáticas apenas reforçam a principal qualidade de Happy Feet 2: O Pinguim. No entanto, no quesito que era a especialidade do original – os números musicais -, a versão dublada, e exclusivamente ela, peca na estranha mistura de algumas músicas em inglês (como Under Pressure de David Bowie e The Queens) e outras em portugês, notadamente na ópera cantada por um personagem no ato final.

Uma sequência preguiçosa e menos empolgante e intensa que o esforço original de George Miller, mas um trabalho que, ao menos do ponto de vista técnico, não pode ser descartado. Um prato cheio para as crianças – e vi muitas delas dançando e sapateando do lado dos pais -, porém não exatamente um capaz de despertar a chama infantil existente no coração adulto de cada um de nós.

Próximo

Sugestões: Tarde Demais

Tarde Demais (Beautiful Boy, 2010, Estados Unidos). Direção: Shawn Ku. Roteiro: Shawn Ku, Michael Armbruster. Elenco: Michael Sheen, Maria Bello, Kyle Gallner, Alan Tudyk. Duração: 100 minutos.Até onde se estende ... Read more

Anterior

Assalto em Dose Dupla

Assalto em Dose Dupla (Flypaper, Alemanha/Estados Unidos, 2011). Direção: Rob Minkoff. Roteiro: Jon Lucas, Scott Moore. Elenco: Patrick Dempsey, Ashley Judd, Jeffrey Tambor, Pruitt Taylor Vince, Tim Blake Nelson, Mekhi ... Read more

4 Comments on “Happy Feet 2: O Pinguim”

  1. Márcio,

    concordo com você a respeito da técnica do filme. O que mais me impressionou foi a riqueza de detalhes do mundo microscópico dos krils que, mesmo minúsculos, são extremamente elaborados.

    E a ópera em português realmente não foi legal. Em sessões muito cheias, é capaz de gerar até risos da platéia.

    Grande abraço!

  2. Marcio,

    parabéns! Seu texto está ágil, criterioso e inteligente. Sem dúvida nenhuma, importantíssimo no cenário maranhense da crítica de cinema, demonstrando uma paixão verdadeira e genuina pelo cinema, fundamental nesse exercício crítico. Continue firme e empolgado. Abraço,

    Frederico Machado

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *