Missão: Impossível – Protocolo Fantasma

Missão: Impossível – Protocolo Fantasma (Mission: Impossible – Ghost Protocol, Estados Unidos, 2011). Direção: Brad Bird. Roteiro: Josh Appelbaum e André Nemec baseado na série de televisão de Bruce Geller. Elenco: Tom Cruise, Jeremy Renner, Simon Pegg, Paula Patton, Michael Nyqvist, Samuli Edelmann, Josh Holloway, Miraj Grbic, Tom Wilkinson, Anil Kapoor, Vladimir Mashkov. Duração: 133 minutos.
Criada em 1966 por Bruce Geller e transportada aos cinemas pela primeira em vez em 1996, a quarta missão do agente da IMF Ethan Hunt nos cinemas reinventa-se positivamente a cada novo episódio graças a decisão dos produtores de manter a rotatividade na cadeira de direção. Enquanto a versão de 96 dirigida por Brian De Palma era essencialmente um filme de espionagem, contando com um roteiro baseado em traições e reviravoltas, o exemplar de 2000, o mais fraco, nas mãos de John Woo exagerava na pirotecnia e na câmera lenta, para a elaboração de intrincadas cenas de ação. Por sua vez, em 2006, J. J. Abrams deu combustível novo à série em um pragmático, porém competente e eficiente filme de ação beneficado pelo excepcional vilão interpretado por Philip Seymour Hoffman. E chegamos neste Missão: Impossível – Protocolo Fantasma. Dirigido por Brad Bird que, anteriormente apenas havia comandado animações (O Gigante de Ferro, Os Incríveis e Ratatouille), este quarto episódio influencia-se pela experiência pretérita do diretor, abraçando a simplicidade e a linearidade da narrativa e o humor para desenvolver uma produção cujo único propósito é divertir. E como diverte!

Escrito por Josh Appelbaum e André Nemec, o roteiro simples beneficia-se de um charme nostálgico que permite o retorno ao cinema de ação de outrora no qual os papéis dos heróis e vilões eram bem definidos, e a missão daqueles era unicamente prevenir que esses destruíssem o mundo. Após uma missão mal sucedida na Rússia, os agentes da IMF são incriminados pelo atentado terrorista que destruiu o Kremlin. Desautorizados de agir pelo governo americano, depois de invocado o protocolo fantasma, Ethan Hunt (Cruise), o misterioso Brandt (Renner), Benji (Pegg) e Jane (Patton) unem-se por conta própria para interromper Hendricks (Nyqvist), um louco terrorista que detém os códigos de lançamentos das ogivas nucleares russas e planeja iniciar uma nova guerra mundial. Logo, a missão da equipe formada às pressas consiste em prever os próximos passos de Hendricks – a transferência dos códigos, o ativamento da ogiva via satélita – e evitar o desastre iminente, apesar da ocorrência de imprevistos e falhas na execução do plano. Muito preto no branco, o roteiro adiciona tons cinzas unicamente na revelação da identidade de Brandt, e nem esta é tão relevante assim para a narrativa. Não existe a insegurança na busca do traidor ou o retrocesso habitual para conferir coerência ao roteiro; a ação é linear, objetiva e urgente, e apesar de não ter celebrada por sua inteligência, ela tampouco caçoa ou debocha do espectador.

Apostando no tom leve e descompromissado desde o resgate de Hunt de uma prisão russa ao som de Dean Martin, a transição de Brad Bird das animações da Pixar para o live action atesta a estupidez do preconceito existente e fomentado na indústria cinematográfica entre essas duas mídas. Ensinando aos discípulos de Michael Bay como se decupar um filme de ação, Bird estabelece a geografia de cada sequência antes do seu desenrolar e investe em cortes planejados e oportunos que conferem um ritmo fluido e permitem a plena compreensão do que realmente está acontecendo na tela. Nesse sentido, nem a confusa ação dentro de uma tempestade de areia consegue minar o excepcional trabalho do diretor nesse quesito. Contando com três das mais empolgantes cenas de ação do ano – a escalada externa do Burj Khalifa, o prédio mais alto do mundo, culminando em um salto extraordinário, o clímax no prédio garagem e o tiroteio que resulta no capotamento de um carro -, M:I-4 é, indiscutivelmente, o melhor exemplar da franquia no quesito ação e orgulha-se disso.

M:I-4 também é o mais engraçado da série, afastando a postura cisuda e séria atribuída a Ethan Hunt e investindo em momentos exclusivamente cômicos, sobretudo no recém alçado agente de campo Benji, interpretado pelo hilário Simon Pegg. Durante a fuga de um hospital, o arrependimento de Ethan de pular de um beiral a alguns andares de altura arranca risos na troca de olhares entre ele e o agente russo Sidorov (Mashkov), e não me recordo de momento algum na série em que Tom Cruise abraçava o humor. Aliás, se contabilizadas as divertidas contusões sofridas por Ethan nos pequenos deslizes e erros de cálculo cometidos, é evidente as concessões na mudança do enfoque do agente. Igualmente engraçado é o destino de uma das luvas usadas na escalada do Burj Khalifa, cujo destino é enfatizado por seu último som produzido, ou a brincadeira realizada com a auto-destruição de um dispositivo. Menos eficiente, porém, é o alongamento (!) de Brandt antes de reproduzir o icônico salto no fosso de ventilação.

Apresentando invenções de causar inveja a James Bond, como lentes oculares de reconhecimento ou uma tela de renderização de imagens, felizmente a máscara fartamente usada no segundo episódio é descartada neste por motivos de ordem técnica, embora o uso por determinado vilão mantenhan-se uma incógnita. Deixando a desejar nos principais efeitos especiais, sobretudo a destruição do Kremlin e a a tempestade de areia vista ao fundo, a captação do aúdio e a edição do som por sua vez são excepcionais, atingindo o ápice no vertiginoso sibilar do vento antes da escalada de Ethan.

Montado com fluidez por Paul Hirsch, especialmente na instigante entrega simultânea dos códigos nucleares, e fotografado com competência por Robert Elswit, convidando a visitar Moscou, Dubai e Bombai conferindo beleza e personalidade a cada uma dessas cidades, a trilha sonora de Michael Giacchino destaca-se, reaproveitando o viciante tema original da série, e permitindo a introdução das culturalidades musicais de cada país na composição característica de um filme de espionagem e ação.

Habitualmente seguro, Tom Cruise revisita o agente Ethan Hunt, novamente realizando a maioria das cenas sem uso de dublês, e levando-se menos a sério no processo. Ao lado de Simon Pegg e da vistosa, porém sem graça Paula Patton, Jeremy Renner demostra segurança e sensibilidade no ensaio da passagem de bastão para a continuidade da série. O que é irônico, haja visto que Renner herdou do colega Matt Damon as aventuras do assassino Jason Bourne e, futuramente, pode ser o substituto de Tom Cruise na série Missão: Impossível. Finalmente, Michael Nyqvist, embora inferior ao vilão interpretado por Philip Seymour Hoffman no episódio anterior, revela-se um homem obcecado e completamente comprometido com sua missão, o que o torna um adversário perigoso e disposto ao maior dos sacrifícios.

Provando-se uma franquia resiliente e inovadora, capaz de reinventar-se a cada episódio, espero novas missões impossíveis dos agentes da IMF e de Brad Bird, independentemente do formato escolhido pelo diretor (animação ou live action). Pois, infelizmente, as chances desse casamento perfeito repetir-se em M:I-5 são improváveis, embora haja uma luz no final do túnel, algo que para Ethan Hunt é sinônimo de missão cumprida.

P.S.: Ving Rhames ganhou 7,7 milhões de dólares para reprisar o papel de Luther… por 1 minuto.

Próximo

A Felicidade não se Compra

A Felicidade não se Compra (It's a Wonderful Life, Estados Unidos, 1946). Direção: Frank Capra. Roteiro: Frances Goodrich, Albert Hackett e Frank Capra. Elenco: James Stewart, Donna Reed, Lionel Barrymore, ... Read more

Anterior

Adorável Avarento

Adorável Avarento (Scrooge, Inglaterra, 1970). Direção: Ronald Neame. Roteiro: Leslie Bricusse baseado na história de Charles Dickens. Elenco: Albert Finney, Edith Evans, Kenneth More, Michael Medwin, Laurence Naismith, David Collings, ... Read more

5 Comments on “Missão: Impossível – Protocolo Fantasma”

  1. Muito interessante esta postagem!

    A Internet no Brasil realmente precisa de postagens de qualidade como estas que você está nos oferecendo.

    Conheça também o novo agregador Pop Blogs que está bombando na internet: http://www.popblogs.net

    Divulgue quantas postagens você quiser (não há limites), sem fila de espera, tenha seus links divulgados em nosso site e aumente muito mais suas visitas diárias e obtenha o sucesso de seu blog!

  2. Mesmo após pesquisar sobre o filme, não sabia desse contrato milionário do Ving Rhames
    hehehehehe
    Parabéns pelo texto muitíssimo bem escrito!
    :-)))) Conseguiu explicar com extrema clareza e em poucas palavras todo oótimo trabalho do Giacchino na trilha sonora
    Grande Abraço

  3. Finalmente, alguém que não acha o vilão ruim como apontam. Não que seja bom, mas nada que prejudique a fluidez sensacional do filme. É pura diversão, com cenas de ação bem coreografadas e efeitos, que, discordo, acho ótimos. Os alívios cômicos inseridos constantemente – mas sem excessos – funcionam muito bem, Simon Pegg está excelente como de costume e, para minha surpresa, até o, pra mim, até então, antipático Jeremy Renner, tem seus momentos engraçados. Adorei e, sem pensar muito, imagino que seja a melhor ação do ano.

    E, sim, a cena da escalada do prédio merece destaque. É brilhante!

  4. Parabéns pelas suas críticas.
    Você escreve muito bem e não entrega detalhes importantes dos filmes
    como tenho visto em alguns outros sites.
    Sempre que puder volto aqui para ler seus textos.

    luciano

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *