Os Incompreendidos

Os Incompreendidos (Les Quatre Cents Coups, França, 1959). Direção: François Truffaut. Roteiro: François Truffaut e Marcel Moussy. Elenco: Jean-Pierre Léaud, Claire Maurier, Albert Rémy, Guy Decomble, Georges Flamant, Patrick Auffay, Daniel Coutourier, Jeanne Moreau. Duração: 99 minutos.
Antoine é um pré-adolescente parisiense desprezado pela mãe biológica, negligenciado pelo apático padrasto e apresentando rendimento escolar abaixo das expectativas de seu autoritário professor. Sua rotina inclui as escapadas regulares das aulas para ir ao cinema ou fliperama acompanhado do melhor amigo René, o comentimento de pequenos delitos (furtos), a fuga de casa certa noite e as mentiras contadas ingenuamente com desconhecimento de suas verdadeiras consequências. O seu comportamento, no entanto, é o reflexo de um inocente jovem sôfrego pelo carinho e atenção dos pais. Ele não é um rebelde ou problemático; é um garoto com dúvidas e frustrações, não tão diferente de outros da mesma idade, fascinado pelas infinitas possibilidades e aventuras que Paris lhe oferece, e dotado de fôlego para vivê-las intensamente. Em linhas gerais, esta é a história de Os Incompreendidos, um dos filmes inaugurais da nouvelle vague … e também um fiel recorte da juventude de seu diretor François Truffaut.


Dedicado à memória de André Bazin, mestre e figura paterna de Truffaut, o retrato autobiográfico do cineasta é o seu primeiro longa metragem (seus esforços anteriores resumiam-se a curtas metragens) e nos apresenta a Antoine Doinel (Léaud), o seu alter-ego que retornaria em filmes posteriores como Beijos Proibidos, O Amor em Fuga. Enxergando na adolescência o importante, breve e decisivo estágio de formação e desenvolvimento do caráter e personalidade de um homem adulto, Truffaut não ignora as menores frivalidades do dia-a-dia de Antoine e confere relevância inclusive as brincadeiras na sala de aula, seguidamente repreendidas com severidade pelo professor (Decomble). Contextualizando a ordinária trajetória daquele jovem, Truffaut convidar a recordar as memórias de nossa infância, a facilidade com que igualmente amávamos, odiávamos e perdoávamos, a teimosia e a temperança das nossas ações. Ele evita idealizações da adolescência – conhecendo a sua história de vida, ele não tinha motivos para fazê-lo -, mas não a torna demasiadamente pungente e excruciante desvirtuando-a.

O equilíbrio provém das ambições do cineasta e de seu comprometimento com os valores defendidos na nova onda da produção cinematográfica francesa. O naturalismo, assim, confere realismo e distinta peculiaridade à história de Doinel. As pistas são deixadas sem maiores alardes, e o questionamento quanto à procedência de uma caneta nos previne e alerta para o comportamento delituoso de Antoine, rechaçado pelo jovem satisfazendo, assim, o imediatismo das expectativas do padrasto (Rémy). Em outros casos, a penumbra da descrença e do desprezo reveste o comportamento dos personagens, e o relance de sua mãe (Maurier) na rua com um acompanhante jamais é mencionado por Antoine (muitos frustrariam-se aguardando um clímax). Da mesma maneira, a áspera discussão dos pais entreouvida por Antoine no seu quarto sedimenta a consciência do jovem em relação ao que seus respnsáveis pensam, prescindindo de conflitos posteriores para demonstrar suas consequências óbvias.

Recheado de comentários cômico-sarcásticos, a promessa de vingança de Antoine contra o professor ou o desabafo deste ao constatar a irresponsabilidade e desinteresse dos alunos (“Pobre França! Que futuro as espera”) funcionam como sinais da rebeldia adolescente e provam a inabilidade da maioria dos docentes de compreender as nuances de uma fase da vida de descobertas e ineditismo. Por sua vez, a puerilidade está presente e as frustradas tentativas de honrar um acordo com a mãe o levam a visitar a obra de Honoré de Balzac e a acender uma vela ao autor, causando uma pequena (e divertida) catástrofe. Esses momentos contrastam com outros mais duros, como na decisão dos pais de enviar o garoto ao internato infantil, lavando as mãos da responsabilidade com o rasteiro argumento “Criança gosta de criança”, ou a inconcebível ação que dá início ao terceiro ato descoberto em um única lágrima silenciosamente derramada. Fluentemente trabalhando com extremos, Truffaut demonstra sensibilidade na tradução do pensamento infanto-juvenil e no questionamento da natureza humana, características perenes na sua filmografia.

Tecnicamente, o embrião da nouvelle vague manifesta-se na fotografia de Henri Decae que prestigia as tomadas abertas (o plano plongé da aula de educação física na qual, dois a dois, os garotos começam a se dispersar nas ruas de Paris é marcante), e nem a parca iluminação representa obstáculo à história contada. Enquanto isso, a montagem de Marie-Josèphe Yoyotte expõe o tom episódico e aventuresco da adolescência nos fades que encerram situações específicas na vida de Antoine, mantendo, porém as longas tomadas e poucos cortes uma frequente na abordagem.

Encabeçado pelo ótimo jovem ator Jean-Pierre Léaud, cuja expressão séria e embrutecida fortalecem o aspecto comovente e trágico na trajetória de Antoine, Os Incompreendidos, um título que afugenta a sutileza idiomática do título original significando “infernizar”, resume a sua proposta autobiográfica no depoimento a uma psicóloga que funciona como um corajoso desabafo de Truffaut aos espectadores. Mas, são as inconcebíveis imagens de crianças detrás das grades de um reformatório e o enigmático plano final de Antoine correndo em direção ao mar tranquilo (ele nunca o havia visto), na agridoce, porém solitária liberdade, acompanhado de um close final revelador que transformam esse na primeira obra-prima da carreira de Truffaut.

Esse é o close de um jovem que eventualmente encontraria no cinema o convite para fugir de uma vida de delinquência e, como retribuição, amou essa arte incondicionalmente, confundindo-se com a sua história. Todavia, esse jovem não é mais Antoine Doinel, e sim, seu criador, François Truffaut.

* Esta crítica faz parte do Especial François Truffaut do Cinema com Crítica que continua na quarta, 25 de janeiro, com Atirem no Pianista (1960).
Próximo

Atirem no Pianista

Atirem no Pianista (Tirez sur le Pianiste, França, 1960). Direção: François Truffaut. Roteiro: François Truffaut e Marcel Moussy baseado no livro de David Goodis. Elenco: Charles Aznavour, Marie Dubois, Nicole ... Read more

Anterior

2 Coelhos

2 Coelhos (Idem, Brasil, 2012). Direção: Afonso Poyart. Roteiro: Afonso Poyart e Izaías Almada. Elenco: Fernando Alves Pinto, Caco Ciocler, Alessandra Negrini, Marat Descartes, Thaíde, Thogun, Neco Villas Lobos, Roberto ... Read more

3 Comments on “Os Incompreendidos”

  1. Olá, eu sou a louca do Filmow que te mandou dois recados seguidos… rs
    Como eu disse lá, adorei o seu blog. Você escreve muito bem.
    Hora ou outra estarei sempre por aqui, anotando as dicas.
    Me mate, mas não conhecia François :s
    Ainda preciso aprender muuuuuito sobre o fantástico mundo do cinema… Mas devagarinho eu chego lá.
    Abraços.
    Camila Leite

    @sonhospontinhos
    http://www.sonhosentrepontinhos.com

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *