Piratas Pirados!

(The Pirates! Band of Misfits), Inglaterra/Estados Unidos, 2012. Direção: Peter Lord e Jeff Newitt. Roteiro: Gideon Dafoe. Vozes de: Hugh Grant, Martin Freeman, Imelda Staunton, David Tennant, Jeremy Piven, Salma Hayek, Anton Yelchin e Brendan Gleeson. Duração: 88 minutos.

O trabalho dignifica o homem“, afirma o dito popular, e afora o fato de permanecer uma grande criança, isto explica o meu carinho inabalável por animações. Exigindo, normalmente, um empenho maior do que o visto nos filmes tradicionais para ser produzida, esta técnica narrativa, mesmo nos esforços mais picaretas e fracos, consegue cativar nem que seja apenas no traço do ilustrador dos exemplares à mão, ou na atenção a detalhes, cores e texturas das animações computadorizadas. Ciente do esforço dos estúdios Aardman (de Fuga das Galinhas), que no curso de 5 anos usou o stop-motion para animar piratas modelados à mão e cenários construídos em reduzidas salas, é difícil não assistir a Piratas Pirados! munido de olhar tenro.

Baseado nos contos de Gideon Dafoe, que também assina o roteiro, a história acompanha os esforços do atrapalhado, entusiasmado e vaidoso Capitão Pirata na busca de ganhar o prêmio de pirata do ano, o qual almeja há 20 anos. Com barba vistosa e postura altiva, o pirata desanima diante do êxito dos competidores rivais, até que durante as tentativas frustradas e engraçadas de pilhar outros navios, ele esbarra no HMS Beagle, a lendária embarcação do cientista Charles Darwin. Descobrindo que Poli não é o papagaio gordo que pensava, mas a supostamente extinta ave dodó, o Capitão Pirata aceita expô-la em Londres, na feira de ciências patrocinada pela Rainha Vitória, iludido pela promessa de uma grande recompensa em ouro. 

Embora parta da simplória premissa do personagem buscando aprovação de seus pares, o que o Capitão Pirata e Charles Darwin têm em comum, e contenha conflitos previsíveis e elementos batidos de aventuras bucaneiras, a narrativa co-dirigida por Peter Lord e Jeff Newitt tem um humor cínico tipicamente britânico e irresistíveis gags visuais. Se é sedutora a ideia da escritora Jane Austen dividir uma cena com o Homem Elefante, a concepção do Rei Pirata como um sósia de Elvis Presley, o inusitado corpo de jurados do pirata do ano e a constelação de cientistas amontoados para ver a dodó agregam um bem-vindo sarcasmo adulto.
Os pequeninos também têm fartos motivos para se entreter, graças ao ritmo ágil e intenso nos 88 minutos e sequências de ação divertidas, como aquela envolvendo uma banheira nas infinitas escadarias da mansão de Darwin, ou no clímax passado na nau da Rainha Vitória. Até transições conceitualmente típicas, como a que se passa nos mapas e desmistifica a presença de um monstro marinho (ou não), e personagens descartáveis como o macaco que se comunica por cartões, acertam mais do que erram.

Depositando no design de produção sua principal qualidade, a animação tem um impressionante zelo com a expressividade dos personagens, cujos olhos, pálpebras e sobrancelhas (frise-se: de massa de modelar) expõem mais sentimentos do que Taylor Lautner ao vivenciar um imprinting. A fluência dos movimentos também é marcante, e apenas o galope travado do cavalo da carruagem demonstra uma pequena falha no método perfeccionista dos estúdios. Por sua vez, o detalhismo da animação atinge níveis extraordinários na aspereza das papilas da língua de uma baleia ou na borra de sangue na lâmina do machado do carrasco.
Mas, raríssimas histórias funcionam sustentadas apenas na estética visual, e é louvável o comprometimento do Capitão Pirata a sua tripulação, e a admiração que estes sentem por ele é nítida, apesar dele ser um fracasso no ofício bucaneiro. Já a historicamente bondosa rainha Vitória, torna-se uma vilã cruel, salivando diante de iguarias exóticas, enquanto Charles Darwin um cientista inseguro e franzino, submisso à imagem dominadora da rainha.

Batizando os demais tripulantes divertidamente salientando as suas características pessoais (o pirata albino ou o pirata da perna de pau), Piratas Pirados! é o agradável fruto do árduo trabalho de um estúdio de animação mestre na técnica do stop motion e, de quebra, de fascinar os olhos e encantar o coração.

Termômetro
Próximo

O Corvo

(The Raven), Estados Unidos/Hungria/Espanha, 2012. Direção: James McTeigue. Roteiro: Ben Livingston e Hannah Shakespeare. Elenco: John Cusack, Luke Evans, Alice Eve, Brendan Gleeson, Kevin McNally, Oliver Jackson-Cohen e Jimmy Yuill. ... Read more

Anterior

Battleship - A Batalha dos Mares

(Battleship), Estados Unidos, 2012. Direção: Peter Berg. Roteiro: Erich Hoeber e Jon Hoeber. Elenco: Taylor Kitsch, Alexander Skarsgard, Rihanna, Brooklyn Decker, Tadanobu Asano, Hamish Linklater, Liam Neeson, Peter MacNicol, John ... Read more

4 Comments on “Piratas Pirados!”

  1. Também tenho essa paixão por animações, e a Aardman é sempre um estúdio que me fascina no preciosismo incansável e na criatividade visual e narrativa que suas produções têm. Mas PIRATAS PIRADOS!, infelizmente, me encantou apenas na técnica; achei a história bem desinteressante, e um protagonista não muito divertido. Se em A FUGA DAS GALINHAS eu chorei e em A BATALHA DOS VEGETAIS eu ri bastante, aqui eu apenas fiquei admirando a direção de arte e a paciência em se filmar tantas variações de bonequinhos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *