Crítica | O Ditador

The Dictator, Estados Unidos, 2012. Direção: Larry Charles. Roteiro: Sacha Baron Cohen, Alec Berg, David Mandel e Jeff Schaffer. Elenco: Sacha Baron Cohen, Ben Kingsley, Jason Mantzoukas, Anna Faris, John C. Reilly, Chris Elliot. Duração: 83 minutos.


Existe mais em comum entre o excelente Borat, o fraco Brüno e este O Ditador do que somente serem estrelados pelo comediante inglês Sacha Baron Cohen. Divertindo-se em debochar da alienação e preconceito da sociedade contemporânea norte-americana, seja através da visão do segundo melhor jornalista do Cazaquistão, de um repórter de moda Austríaco homossexual e agora do Almirante-General Aladeen do fictício país Wadyia, no norte da África, o comediante também não economiza em nenhum dos filmes no humor politicamente incorreto, disparando contra deficientes físicos, negros e judeus, além de escarnecer de momentos trágicos da história mundial como o 11 de setembro e o atentado à delegação israelense nas olimpíadas da Alemanha (retratado no filme de Steven Spielberg, Munique). Porém, ao invés de ofender e depreciar, as observações infantis e o jeito ingênuo dos protagonistas citados (Brüno em menor grau) provocam muitos risos e, no processo, ensaiam uma oportuna crítica social inexistente na maioria das comédias lançadas semanalmente.

No entanto, diferente de Borat e Brüno, mockumentaries nos quais o humorista improvisava situações e encurralava cidadãos até os levar a escancarar inconscientemente o falso moralismo da sociedade que desejava criticar, o formato de O Ditador é limitado justamente pela popularidade do ator, que não pode mais fazer humor nas ruas sem ser reconhecimento imediatamente, e também pelo escopo robusto da produção que chega a utilizar dezenas de lamborghinis durante a chegada triunfal de Aladeen em Nova York. Apostando em um roteiro tradicional e previsível, menos inclinado à espontaneidade de seu protagonista, as situações imaginadas não deixem a desejar, embora fossem potencialmente mais engraçadas se envolvessem pessoas comuns pegas desprevenidas, sobretudo nos dias atuais em que os déspotas estão sendo massacrados pela opinião pública mundial. Dessa forma, a cena que se passa durante um passeio de helicóptero é divertidíssima, mas certamente seria melhor se envolvesse turistas de verdade, ao invés de atores, deparados com possíveis terroristas árabes.

Escrito a oito mãos, a história acompanha a ida de Aladeen à Nova York para discursar na ONU acerca do programa de enriquecimento de urânio desenvolvido no seu país. Durante a sua estada, ele é traído por seu tio Tamir (Kingsley, em um papel que faria de olhos fechados), que arranca o símbolo do seu poder (a sua barba), o substitui por um sósia com QI de dois dígitos (não que o ditador seja o mais inteligente) e promete à comunidade internacional a confecção de uma constituição democrática. Irreconhecível, Aladeen conhece a hippie ativista Zoey (Faris) e reencontra Nadal (Mantzoukas), cientista conterrâneo que julgava ter mandado executar. Com a ajuda deles, o ditador tem só 5 dias para recuperar sua identidade e retomar o poder, mas seu plano é posto em risco depois que ele se apaixona pela garota.

Demasiadamente simplório e linear, o roteiro de O Ditador tem o mérito de não desvirtuar a personalidade moralmente comprometida do seu protagonista, como fizera Meu Malvado Favorito. Permanecendo praticamente o mesmo do início ao fim da narrativa, Aladeen até titubeia diante da possibilidade de ser um “cara legal” ou do inédito sentimento do amor, mas jamais se rende ao comum arco dramático redentor. Consigo imaginar, inclusive, que muitos cineastas adorariam lavar o sangue das mãos do ditador após a descoberta de que aqueles que ele mandou executar foram na verdade expatriados, recurso que felizmente não é utilizado para esse fim durante a narrativa. Mesmo porque, debaixo do humor, existe uma crítica bastante pertinente à ditadura conservadora e careta do politicamente correto que tem imperado na indústria de Hollywood.

Além de fazer humor envolvendo esteriótipos, sobretudo na forma preconceituosa com que os norte-americanos enxergam os árabes (Aladeen sequer é deste povo), onde na comédia contemporânea um personagem sugeriria jogar no lixo um recém nascido ou recomendaria um aborto só porque o bebê é do sexo feminino? E mesmo não tendo êxito em arrancar gargalhadas em algumas esquetes, a acidez do comediante basta para que seus esforços são sejam descartados, como na presença reveladora de Megan Fox e na insistência de pontuar os achismos da inútil comentarista de um programa de notícias. Demonstrando conhecer muito bem o gênero, o diretor Larry David é inteligente ao persistir nas piadas além do que a cartilha determina, extraindo o máximo de risos de cada uma, como ocorre com as sequências envolvendo uma cabeça decepada (ignorando, evidentemente, os efeitos da decomposição). Finalmente, o cineasta também é esperto em reaproveitar informações de cenas anteriores menos eficientes, pegando o público desprevenido ao revelar um hóspede no palácio ou o estranho hábito do embaixador chinês (com direito a uma ponta surpreendente).

Mas, O Ditador não funcionaria se não fosse o talento de Sacha Baron Cohen. Um dos melhores comediantes da atualidade, o inglês mostra-se incapaz de interpretar personagens “normais”, usando-os como vitrines para demonstrar a versatilidade de suas cuidadosas composições. Como Aladeen, ele soa ingenuamente fascinado com o poder que detém, o levando até mesmo a alterar verbetes do dicionário (a consequência disto é uma das melhores cenas do filme). Porém, tudo isso é fruto de carência emocional e um complexo de inferioridade compensados pelo egocentrismo estampado nos retratos pendurados por todos o palácio. Externando suas opiniões em hipérboles difíceis de serem levadas a sério, o inofensivo preconceito do ditador surge como parte indissociável da sua natureza, afastando-o do “humor” dos personagens criados por Adam Sandler, invariavelmente os mesmos, cujos xingamentos têm um único fim em si mesmo: troças dos outros.

Contando também com Anna Faris, cuja atuação sempre no volume mais alto é coerente com o ativismo de Zoey, O Ditador faz rir e ainda esfrega na cara da sociedade norte-americana as inúmeras atrocidades cometidas em nome da democracia. Ao que parece, o dedo em riste do almirante-general Aladeen sempre apontado para cima agora virou-se para o rosto do tio Sam e a sua velada hipocrisia. De novo!

Próximo

Crítica | Os Mercenários 2

The Expendables 2, Estados Unidos, 2012. Diretor: Simon West. Roteiro: Richard Wenk e Sylvester Stallone. Elenco: Sylvester Stallone, Jason Statham, Jet Li, Dolph Lundgren, Chuck Norris, Jean-Claude Van Damme, Bruce ... Read more

Anterior

Crítica | Rock of Ages: O Filme

Rock of Ages, Estados Unidos, 2012. Direção: Adam Shankman. Roteiro: Justin Theroux, Chris D'Arienzo e Allan Loeb baseado no musical de Chris D'Arienzo. Elenco: Diego Boneta, Julianne Hough, Alec Baldwin, ... Read more

3 Comments on “Crítica | O Ditador”

  1. Li a crítica, mas só passei aqui pra falar que não ocorre crase antes de intelectual na descrição do seu perfil.

    É isso aí falou há braços

  2. Muito boa a sua análise. Mas acredito que se Cohen tivesse tentado de forma incógnita a cena do avião, como fazia nos outros filmes, poderia se meter realmente em encrenca.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *