Festivais | 36a Mostra de São Paulo – Dia 14

55) Na neblina (V tumane, Alemanha/Holanda/Bielorrússia/Rússia/Lituânia, 2012) – Direção: Sergei Loznitsa.

Durante a ocupação alemã na União Soviética, dois soldados, Burov e Voitik, partem no encalço de Sushenya, acusado de trair três companheiros enforcados durante os eventos iniciais. Com esta história relativamente linear, o cineasta Sergei Loznitsa discorre sobre o instinto de sobrevivência humano, mas não da maneira com que esperamos, e sim invertendo a expectativa sobre o verdadeiro significado de sobreviver para soviéticos violados cuja soberania estava prestes a ser usurpada pelos alemães. Nesse sentido, o diretor volta as atenções a Sushenya, que admite ter inveja do destino dos camaradas mártires, preferindo ter sido dependurado pelo pescoço e mantido a honra a ser taxado, até pela esposa, de traidor.

Desenvolvido sob uma fria paleta de cores que acentua o caráter inóspito da região, e o recuo dos soviéticos em direção ao centro do país terminaria provocando a derrota alemã na guerra, Loznitsa revela a crua escassez provocada pela guerra na falta de alimentos que se tornam bens inestimáveis e na pobreza dos raros locais habitados, especialmente a casa em que se isolou a família de Sushenya. Através de planos-sequência e o silêncio que valoriza o abandono dos personagens à floresta, a sóbria reflexão ajuda na minimalista discussão da natureza humana em tempos de guerra e não é à toa que o diretor de fotografia seja Oleg Mutu, colaborador habitual de Christian Mungiu e uma das presenças frequentes nos grandes exemplares do novo cinema romeno.

Ele e a sua câmera captam o rigoroso inverno soviético e retratam nos flashbacks as escolhas morais daqueles três homens que os conduziram até aquele ponto. Sabotagem, traição e abstinência de colaborar que acabam resultando na espiral de eventos que os condena ao trágico destino proporcionado pela guerra aos combatentes.

56) Preenchendo o vazio (Lemale et ha’halal, Israel, 2012) – Direção: Rama Burshtein.

Escolhido para representar Israel no Oscar do próximo ano, Preenchendo o Vazio é daqueles filmes que ressuscitam a velha pergunta: não havia realmente filme melhor vindo daquele país para ser enviado à Academia?

Estreia no roteiro e na direção de Rama Burshtein, a narrativa sempre é interessante nos momentos em que se detém a explorar a cultura e rituais judaicos, como o Purim e as festivas cerimônias matrimoniais. Evitando realizar juízos de valor, a cineasta se limita a descrever a escolha do futuro de jovens mulheres, envolvendo o Rabi, os pais e, em último lugar, a vontade da nubente, em uma preservação das tradições dos tempos de outrora e que muitos julgariam de machista. E, ainda que a diretora revele atenção a pequenos detalhes, como o fulminante olhar de Shira voltado diretamente ao público, ela se abstém de adentrar no âmago daquela cultura…

…o que nos leva ao grande problema de Preenchendo o Vazio: a sua dedicação obstinada à trama “amorosa” entre Shira e Yohai. Na manjada historinha do “caso, não caso”, Shira é uma protagonista ingrata que não sabe se obedece aos pedidos desesperados da mãe, que resultam em um desmaio ficto e absurdo, ou se segue o seu coração e evita desposar Yohai, depois do falecimento da sua ex-esposa e também irmã de Shira. Mas o sacrifício da garota nunca é posto em xeque: ela parece fascinada com a ideia de casar, revirando um supermercado inteiro em busca de um pretendente que se revela um bananão; além disso, diante da carência de outras opções (veja com quem uma judia que ia ficar solteirona casa), Shira retorna à mais cômoda que agrade à mãe, à comunidade e, bem, a aproxima mais do sobrinho.

A própria Hadas Yaron, que dá vida à protagonista, embora belíssima com grandes olhos verdes, é uma personagem aborrecidíssima capaz de sair fazendo bico, batendo pé firme na rua e ignorando a chamada do pai. Vivendo um arco dramático tolo, até seu figurino é desinteressante, trajando o tom branco quando a jovem está exultante de felicidade e o preto para representar o luto do desrespeito de sua vontade.

Arrastado mesmo tendo somente 87 minutos, Preenchendo o Vazio cheira a uma boa oportunidade perdida.

Próximo

Lista | Os 10 piores filmes de 2012

Para inaugurar a retrospectiva cinematográfica anual que todo site ou blog de cinema adora fazer, vou começar com este framboesa de ouro, Os 10 piores filmes lançados comercialmente nos cinemas no ... Read more

Anterior

Festivais | 36a Mostra de São Paulo - Dia 13

52) O amante da rainha (En kongelig affære, Dinamarca/Suécia/República Checa, 2012) - Direção: Nikolaj Arcel.Cunhada por William Shakespeare, a clássica frase "há algo de pobre no reino da Dinamarca" ainda ... Read more

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *