Listas | Os 10 melhores filmes que eu vi em 2012

Esta é a minha menina dos olhos, as produções que ratificaram o meu amor pelo cinema. Com vocês, Os 10 melhores filmes que eu vi ou revi em 2012, independente se no cinema ou em casa, em circuito ou em festivais.

10) Contato (1997): a paixão e obstinação de Eleanor Arroway, personagem de Jodie Foster, em descobrir o que há além das estrelas é o combustível desta ficção-científica que, acima de tudo, estimula a a busca por respostas em vez de aceitar comodamente os mitos escritos a milhares de anos. Tudo isso, no entanto, sem atacar covardemente quem acredita em um ser superior.

9) A Bela da Tarde (1967): discute elegantemente a libertação sexual feminina, e porque não as fantasias sexuais e a ninfomania, recorrendo ao surrealismo típico da obra de Luís Buñuel apenas no desfecho devastador. Destaque para a frígida Catherine Deneuve, em uma composição que ressalta a impossibilidade de sua personagem em saciar seu apetite.

8) A Viagem (2012): Tom Tykwer, Andy e Lana Wachowski (Matrix) realizaram uma obra ambiciosa que se expande ao longo dos séculos (e de gêneros: comédia, suspense, ficção-científica, drama pós-apocalíptico, etc) para expor a transcendentalidade do espírito humano. Resultado: uma narrativa fluida e muito bem montada com mistérios e camadas que o espectador terá o prazer de desvendar em visitas sucessivas.

7) Carlos (2010): uma minissérie exibida em festivais como um filme de 5 horas e meia que cobre a carreira criminosa do terrorista Carlos, o Chacal, com uma absurda riqueza de detalhes e fatos. Um retrato que sequestra a atenção do espectador, e só a devolve no instante em que os créditos sobem. Que atuação de Édgar Ramírez!

6) Alien, o Oitavo Passageiro (1979): no espaço, ninguém pode ouvi-lo gritar. Com este brocado, surgiu um dos grandes marcos do cinema de terror e uma das maiores heroínas da história: Ellen Ripley. A claustrofobia dentro da Nostromo, a direção de Ridley Scott e o uso eficiente da trilha sonora também se destacam.

5) O Processo (1962): Orson Welles adapta o pesadelo de Franz Kafka com a sua costumeira habilidade detrás das câmeras. Planos milimetricamente bem planejados, a mise-en-scène caprichada e enquadramentos perturbadores fazem deste um filme à altura de Cidadão Kane. Precisa dizer mais?

4) Lawrence da Arábia (1962): fiquei bastante triste de não ter assistido ao épico dos épicos durante a Mostra de São Paulo deste ano. Lamentos a parte, uma das muitas obras-primas de David Lean tem uma das fotografias mais espetaculares que eu já vi, além de contar com um protagonista enigmático, narcisista, cruel e cativante.

3) A Noite Americana (1973): a paixão de François Truffaut pelo processo de produção cinematográfica transborda em um dos filmes metalinguísticos definitivos, cujo maior mérito é funcionar em dobro: tanto o filme dentro do filme, Je vous salue Pamela, quanto no esforço do diretor Ferrand em terminar, seja como for, suas filmagens.

2) Contatos Imediatos de Terceiro Grau (1977): aqui, Truffaut humildemente participa como ator neste trabalho de Steven Spielberg que reproduz da forma mais fidedigna (ao menos a meu ver) como sucederia uma invasão alienígena. Emocionante e marcante como os acordes musicais usadas para comunicação.

1) Os Bons Companheiros (1990): se o universo dos gangsteres tem o seu rei, ou melhor, Padrinho, o épico do crime de Martin Scorsese é o que mais se aproximou para usurpar a sua cora. Um filme magnífico com um trio principal afinadíssimo: Ray Liotta, Robert De Niro e, claro, Joe Pesci.

Outros 40 grandes clássicos que levarei comigo na minha memória cinéfila:

A Árvore do Amor (2010)
A Música segundo Tom Jobim (2012)
A Separação (2011)
Anna Karenina (2012)
As Duas Inglesas e o Amor (1971)
Divórcio à Italiana (1961)
Drive (2011)
Era uma vez na América (1984)
Escola de Rock (2003)
Esse Obscuro Objeto do Desejo (1977)
Fausto (1926)
Harakiri (1962)
How to Survive a Plague (2012)
Império do Sol (1987)
Indomável Sonhadora (2012)
Jules e Jim – Uma Mulher para Dois (1962)
Killer Joe – Matador de Aluguel (2011)
Marley (2011)
Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977)
Nosferatu (1922)
O Abrigo (2011)
O Anjo Exterminador (1962)
O Enigma de Outro Mundo (1982)
O Espião que Sabia Demais (2011)
O Exterminador do Futuro (1984)
O Fantasma da Liberdade (1974)
O Homem de Alcatraz (1962)
O Homem que Matou o Facínora (1962)
O Pagador de Promessas (1962)
O Último Concerto de Rock (1978)
Os Incompreendidos (1959)
Os Intocáveis (1987)
Pink Floyd The Wall (1982)
Polissia (2011)
Raul – O Início, O Meio e o Fim (2012)
Sob o Domínio do Mal (1962)
Sr. Ninguém (2009)
Tempestade sobre Washington (1962)
Tempos Modernos (1936)
Um Alguém Apaixonado (2012)

Para fechar o ano, agradeço a todos que nos visitaram, comentaram, elogiariam e também criticaram (e até xingaram). Agradeço ainda as amizades que fiz ao longo do ano e mesmo aqueles que, por algum motivo, distanciaram-se, mas não deixaram de me ajudar e corrigir os inúmeros erros que cometo diariamente. Para quem estiver mais interessado em conhecer TODOS os 545 filmes que eu assisti neste ano, então acesse minha lista no IMDb de filmes de 2012.

Um bom réveillon a todos e um feliz 2013!

Próximo

50 Anos | As Aventuras de Tom Jones

Título original: Tom Jones | País de origem: Reino Unido | Ano de lançamento: 1963 | Dirigido por: Tony Richardson | Escrito por: John Osborne baseado no livro de Henry ... Read more

Anterior

Lista | Os 10 melhores filmes de 2012

A noite é mais escura antes de amanhecer, e depois de viver o pesadelo de recordar as porcarias que eu vi neste ano, hoje me alegro em compartilhar Os 10 melhores ... Read more

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *