Crítica | As Sessões

Título original: The Sessions | País de origem: Estados Unidos | Ano de lançamento: 2012 | Dirigido por: Ben Lewin | Escrito por: Ben Lewin baseado no artigo de Mark O’Brien | Elenco: John Hawkes, Helen Hunt, William H. Macy, Moon Bloodgood, Annika Marks, Adam Arkin, Rhea Perlman e W. Earl Brown | Duração: 1h35min.

Filmes como Intocáveis ou este As Sessões desarmam com um estalo de dedos as armas da patrulha politicamente correta. Basta para isto que o protagonista portador de uma deficiência ou doença incapacitante seja o primeiro a aceitar a condição e, sem um resquício de autocomiseração, derrube o muro do preconceito alterando, consequentemente, a percepção daqueles ao redor. Melhora mais quando o faz com muito bom humor, como é o caso daquele que é o maior sucesso de bilheteria da França, ou então com doçura e suavidade como nesta história real de como o poeta Mark O’Brien decidiu perdeu a virgindade após mais de 30 anos confinados a uma maca após contrair poliomielite aos 6 anos de idade.
Adaptado por Ben Lewin, que também dirige, a partir do artigo escrito pelo próprio Mark O’Brien On Seeing a Sex Surrogate, o qual você pode ler aqui em inglês, o roteiro nada mais faz do que reaproveitar a base de uma comédia romântica conferindo, porém, um tom adulto e menos clichê e substituindo os jogadores sem desvirtuar os esteriótipos nos quais eles se encaixam. O inseguro apaixonado agora tem os porquês de ser assim, pois é visto pelo sexo oposto de todas as maneiras, menos com interesse sexual, e ainda está preso ao tabu da igreja; o melhor amigo e incentivador agora veste a batina do padre Brendan (William H. Macy), um hippie com cabelos compridos e ocasionalmente uma fita amarrada na cabeça; e finalmente, o objeto de afeição do protagonista, a terapeuta sexual Cheryl (Helen Hunt), é tão desinibida e ousada quanto se poderia esperar nas tais sessões do título em que ela tenta fazer com que Mark atinja a consciência corporal e a masculinidade plena através de exercícios sexuais.
Mas o que torna esse trabalho verdadeiramente especial e distinto, além dos inusitados protagonistas, é a forma sutil com que Ben Lewin introduz os previsíveis pontos de virada, sobretudo Mark apaixonar-se por Cheryl. Falta-lhe na verdade, o afã de cumprir os estágios que já estamos carecas de conhecer dos filmes do gênero e sem esta urgência, ele pode desenvolver naturalmente uma mútua aproximação cega à doença mas consciente de que o relacionamento é improvável, já que Cheryl é uma mãe de família bem tipicamente norte-americana. Definidos desde cedo o conflito, a incerteza de sua superação e o escasso período de tempo de convivência de só 6 sessões, nada impede entretanto de ambos preencherem as lacunas na vida um do outro com um senso de humor agridoce e coerente à meia-idade dos personagens. Neste sentido, o roteiro de Lewin tem um humor autodepreciativo jamais ofensivo (Mark questiona à sua assistente se ela “precisa de ajuda com a mobília” e um gato travesso revela-se um pesadelo para alguém incapaz de coçar o próprio rosto) misturado às apimentadas confissões no átrio da igreja e belos momentos em que Mark relembra frustrações amorosas passadas sempre com um lirismo de palavras mais do que apropriado para o poeta.
O que inevitavelmente leva à grande atuação de John Hawkes, injustamente esnobado pelo Oscar, expressando múltiplos sentimentos, como decepção, alegria, nostalgia, excitação e curiosidade, só com singelas mudanças na inflexão da voz fraquejante. Também deve-se destacar o visível desafio físico que deve ter sido permanecer o tempo inteiro curvado preso à cama ou então ao pulmão de aço artificial, com a palma da mão direita virada para cima e a da mão esquerda rija presa ao lado do corpo, em uma composição (literalmente!) disciplinada e convincente. Enquanto isso, Helen Hunt chama a atenção mais por causa da corajosa entrega à personagem, que atravessa boa parte da produção nua, do que por sua atuação, prejudicada por cirurgias plásticas e aplicações de botox que lhe retiraram muito da expressividade facial e a tornaram uma estranha versão de uma barbie cinquentona. Ainda assim, a atriz é hábil em retratar na voz tenra e no toque carinhoso e gentil a cumplicidade construída entre ela e Mark.
Apresentando uma boa e discreta direção de arte, que afixa à distância o diploma de Cheryl e contrasta as figuras religiosas com o que Mark persegue com afinco justificando um dos aspectos da sua personalidade, e uma montagem excelente, sobretudo no raccord que associa o pulmão de aço a um certo objeto de madeira, As Sessões é um romance adulto gostoso, leve e libertador.
P.S.: Mark O’Brien foi tema do Curta de Documentário Breathing Lessons: The Life and Work of Mark O’Brien vencedor do Oscar em 1997 e que é ótimo. Vale a pena conferir.

Próximo

Crítica: Será Que?

Todos nós temos um casal de amigos aparentemente saído de uma realidade alternativa, que emprega um dialeto particular, interage de forma incomum e, para piorar, diverte-se com piadas das quais ... Read more

Anterior

Crítica | O Voo

Título original: Flight | País de origem: Estados Unidos | Ano de lançamento: 2012 | Dirigido por: Robert Zemeckis | Escrito por: John Gatins | Elenco: Denzel Washington, Kelly Reilly, ... Read more

2 Comments on “Crítica | As Sessões”

  1. Olá Márcio,

    Sou leitor do Cinema com Crítica e sou cinéfilo de carteirinha. Eu estou mandando esse email porque estou trabalhando numa empresa que desenvolveu um portal sobre cinema – o Cinema Total (www.cinematotal.com). Um dos atrativos do site é que você cria uma página dentro do site, podendo escrever textos de blog e críticas de filmes. Então, gostaria de sugerir que você também passasse a publicar seus textos no Cinema Total – assim você também atinge o público que acessa o Cinema Total e não conhece o Cinema com Crítica.

    Se você gostar do site, também peço que coloque um link para ele no Cinema com Crítica.

    Se você quiser, me mande um email quando criar sua conta que eu verifico se está tudo ok.

    Um abraço,

    Marcos
    http://www.cinematotal.com
    marcos@cinematotal.com

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *