Crítica | Fúria de Titãs

A mitologia grega desperta fascínio nas histórias de mortais ou semideuses que desafiam seus criadores em jornadas épicas contra monstros e titãs. Ou quem não conhece, ao menos superficialmente, os doze trabalhos de Hércules, Teseu no labirinto do Minotauro ou Ícaro que construiu asas de cera para alcançar o Sol. Refilmando a obra homônima de 1981, que se tornou um cult do cinema B, Fúria de Titãs nos leva a este período de feitos extraordinários, em que homens ousaram se tornar senhores do seu próprio destino e rebelaram-se contra os deuses do Olímpio.

Essa introdução é a melhor parte do filme, mas Fúria de Titãs saí-se razoavelmente bem como filme de ação. O fiapo de história gira em torno da soberba dos homens que, descontentes com os deuses, desafiam Zeus (Liam Neeson) destruindo templos e estátuas de adoração. Em troca, recebem pragas e monstruosidades. No meio encontra-se Perseu (Sam Worthington), um semideus, filho de Zeus, que parte para destruir o Kraken, vingar-se de Hades (Ralph Fiennes) e evitar a catástrofe que cairá sobre a cidade de Argos.

Escrito a seis mãos, o roteiro é simplório e recheado de clichês: Hades quer trapaçear Zeus, por abandonar-lhe no inferno; Perseu tem que destruir tudo na sua frente para provar que é o escolhido; destruirá tudo o que vier na sua frente. Entre monstros e mais monstros, o roteiro também está cheio de diálogos expositivos que servem somente para fazer a história seguir em frente e apresentar um novo obstáculo.

Felizmente, a direção de Louis Leterrier é melhor nas cenas de ação, é dele Carga Explosiva 1 e 2 e O Incrível Hulk. Assim, temos a empolgante luta contra os escorpiões gigantes, que mesmo com cortes rápidos não é incompreensível e todo o ato final que conta com ao menos dois grandes planos: no primeiro, Perseu emerge do eclipse cavalgando Pégasus e no outro é o instante final na praia que curiosamente reencontra Zeus no local em que sua estátua fora destruída – um elemento narrativo sutil. Por outro lado, a Medusa e o conflito que se dá dentro de seu lar não são satisfatórios, principalmente porque a concepção da criatura é ruim, denunciando seu aspecto digital através de uma textura emborrachada. Os Djinns do deserto também não são particularmente inspiradores, lembrando Ewoks, e todo o interlúdio envolvendo o Rei Acrísio é encheção de linguiça, recontando a origem de Perseu, algo que quase todos sabiam.

Interpretado pelo carismático Sam Worthington, de Avatar, Perseu mesmo preso a um herói quadradão é confiável. Enquanto isso, Liam Neeson reprisa o papel de mestre – quer autoridade maior que Zeus? – e Ralph Fiennes aposta em uma composição curiosa de Hades, com uma voz rouca e postura corcunda, gradativamente readquirindo o timbre normal à medida em que recupera as suas forças, apesar de não compreender o porquê ele sempre surgir e sumir de cena de braços abertos. A maquiagem ainda desempenha papel fundamental na concepção do vilão (e de outras criaturas, como as bruxas), com uma pele desgastada e as mãos tingidas em preto.

Mas, o que dizer de Danny Huston, um ator relativamente conhecido e que tem apenas uma fala como o imperador Posêidon? Maciçamente editado (leia-se: cortado), o que justifica saltos e elipses de uma cena para a outra sem o apropriado elo de ligação, Fúria de Titãs conta com a ótima locação de cenários e uma fotografia boa para compor quadros interessantes – ainda que óbvios – como o Olímpio, em tons etéreos. Assim, apesar de narrativamente pobre, essa viagem mitológica pelo menos é um bom e esquecível entretenimento.

Avaliação: 3/5

Próximo

Crítica | O Mundo Imaginário do Doutor Parnassus

Embora seja o último trabalho de Heath Ledger e o seu precoce falecimento ter exigido maciças mudanças, O Mundo Imaginário do Doutor Parnassus ainda é um bom filme. Refletindo a ... Read more

Anterior

Crítica | Sex and the City 2

Discorrer sobre Sex and the City 2 é argumentar sobre um estilo de vida que prioriza a aparência e o consumismo exacerbado do mundo capitalista. Em meio a futilidades, existe ... Read more

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *