Madagascar 3: Os Procurados

Madagascar 3: Europe’s Most Wanted, Estados Unidos, 2012. Direção: Eric Darnell, Tom McGrath e Conrad Vernon. Roteiro: Eric Darnell e Noah Baumbach. Elenco: Ben Stiller, Chris Rock, David Schwimmer, Jada Pinkett Smith, Sacha Baron Cohen, Cedric the Entertainer, Frances McDormand, Bryan Cranston, Martin Short e Jessica Chastain. Duração: 93 minutos.

Afora raras exceções (Shrek 1 e 2 e Como Treinar seu Dragão), a DreamWorks Animations nunca teve qualidade e relevância para destronar os ambiciosos e premiados filmes da Pixar, sua principal concorrente. A cinessérie Madagascar é a prova disto: mero divertimento passageiro com meia dúzia de personagens simpáticos, exóticos e engraçadinhos, os episódios anteriores praticamente recontavam a mesma história (o retorno de Alex, Martin, Glória e Melman à selva urbana de Nova York) com ação e humor em doses equilibradas e sem aspirar ser mais do que 90 minutos de entretenimento para os pequenos e exigir maior ou menor envolvimento dos adultos. Madagascar 3: Os Procurados não foge à regra e repete a mesmíssima fórmula dos antecessores, mas ao final, me vi surpreendentemente emocionado. Confuso, perguntei-me o que havia acontecido, e na reflexão descobri ter assistido a um filme que não só encerra um ciclo iniciado há bons 7 anos, mas o fez de forma cativante e sensível.

Escrito por Eric Darnell e Noah Baumbach, o roteiro desconsidera boa parte dos eventos do episódio anterior, o mais fraco, e acompanha a odisseia dos animais, de onde quer que estejam na África, no retorno à civilização. Para isto, partem no encalço dos pinguins e macacos que escaparam de avião rumo a Monte Carlo, surgindo misteriosamente no cais do principado à nado (e porque não fizeram isto anteriormente para chegar à Grande Maçã é um mistério semelhante a uma girafa mergulhadora). Perseguidos por  Chantel DuBois, uma taxidermista obcecada por leões e chefe do controle de animais, Alex e os demais fingem ser circenses e se juntam ao circo Zaragoza, cuja trupe composta pelo tigre Vitaly, a jaguar Gia, o leão marinho Stefano e a ursa Sônia encerra sua própria jornada pessoal.

Previsível na abordagem para conquistar um maior número de fãs, vender mais brinquedos e produzir novos subprodutos, a equipe duplica a quantidade de personagens, acentua a ação desenfreada e substitui muitas soluções inteligentes por comodidades preguiçosas, forçando a barra ao sugerir que animais inexperientes com pouquíssimas horas de treino elaborariam um novo espetáculo de circo. Abusando de clichês, é apenas natural que a mentira contada por Alex seja desmascarada oportunamente e provoque a desilusão daqueles que o viam como um salvador, ou que o drama de Vitaly renda um retorno triunfal no momento apropriado.

Por outro lado, entre a ação frenética, especialmente a perseguição em Mônaco, que não cede brecha para respirar (a montagem destaca-se pela fluidez de raccords, como a recordação de Vitaly ou a chegada à Roma), a narrativa encontra espaço para apresentar personagens cativantes, bem mais interessantes do que Alex, Martin, Melman e Glória, sobretudo o esperançoso e sonhador Stefano. Já o sucesso da série de televisão dos pinguins e lêmures exige a sua promoção de alívios cômicos pontuais à integrantes de destaque na narrativa, sendo cediço afirmar que eles protagonizam as melhores sequências cômicas, como nas tentativas das aves de tirar vantagem ou na paixão à primeira vista do Rei Julian pela ursa Sônia.

Expandindo o olhar além das savanas africanas, os três diretores (supostamente, três cabeças pensantes) mostram pouca inspiração para explorar as localidades europeias, limitados a registrar pontos turísticos que, alheios ao contexto da narrativa, são dispensáveis. Aos diretores, basta pôr os animais nas selvas urbanas ao ritmo de uma trilha sonora relativamente empolgante, com músicas de Katy Perry e LMFAO, além de canções de Edith Piaf, a inspiração estética da vilã Chantel DuBois. Finalmente, o que dizer do uso nefasto e capitalista do 3D, que justifica o ingresso mais caro somente para arremessar objetos no espectador ou projetar o pescoço de Melman.

Mas, aí você pergunta, onde está algo nesta narrativa que justifique o veemente elogio no parágrafo inicial? Encontrando no circo o resgaste sonhado pelos bichos novaiorquinos, a narrativa encerra de forma inesperadamente lógica e inteligente a trilogia – termo que pensei cuidadosamente antes de usá-lo -, e a alucinante perseguição enfim culmina na comovente descoberta dos bichos de onde pertencem, o que envolve a superação do comodismo e das grades que enjaulam e deturpam os reais desejos e aspirações de cada um. Mais, há ainda uma mensagem acerca da crueldade praticada contra os animais que, embora não seja sutil como a mensagem ecológica de Wall-E, repisa algo atual e importante aos pequenos sem afastar a coerência narrativa.

Ao fim, independente de estar na selva de concreto, nas savanas de Madagascar ou nas históricas paisagens europeias, na companhia daqueles bichos desajustados pouco importa o destino da viagem, mas a dinâmica desta família desfuncional que não fez feio diante dos bons da Pixar!

Próximo

Vício Maldito

Days of Wine and Roses, Estados Unidos, 1962. Direção: Blake Edwards. Roteiro: J. P. Miller. Elenco: Jack Lemmon, Lee Remick, Charles Bickford, Jack Klugman, Alan Hewitt, Tom Palmer, Debbie Megowan, ... Read more

Anterior

Círculo do Medo

Cape Fear, Estados Unidos, 1962. Direção: J. Lee Thompson. Roteiro: James R. Webb baseado no livro de John D. MacDonald. Elenco: Gregory Peck, Robert Mitchum, Polly Bergen, Lori Martin, Martin ... Read more

3 Comments on “Madagascar 3: Os Procurados”

  1. "Achava que minha pedra era maior."

    Também me vi emocionado na linda cena em que os animais, depois de três filmes tentando voltar para o zoológico em NY, percebem como aquilo ali era uma verdadeira prisão para seus instintos e qualidades.

    Dizer que a história é extremamente esquemática (o roteiro poderia abrir mão do péssimo momento em que "a mentira é descoberta e o mundo cai") nem chega a ser novidade, mas ao menos o filme tenta (e muitas vezes consegue) compensar essa rigidez com deslumbre visual e muito movimento.

    E… nefasto o 3D? Achei bastante apropriado do filme em abusar dos grandes espaços e assim permitir um bom uso dessa dimensão adicional.

  2. Enquanto continuarem jogando coisinhas na tela eu vou achar o 3D uma aporrinhação. Mas somos nós dois os ardorosos defensores dessa apaixonante animação, não? 🙂

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *